top of page
  • Foto do escritorDeborah Queiroz

Senadora Soraya Thronicke intermedia reunião entre a Prefeitura de Dourados e o Ministério da Saúde

Ministro Marcelo Queiroga recebeu a parlamentar e o prefeito Alan Guedes nesta quarta-feira, 23

A senadora Soraya Thronicke (PSL-MS) esteve, nesta quarta-feira (23), no Ministério da Saúde com o prefeito de Dourados, Alan Guedes, para apresentar o relatório de resultados das medidas sanitárias adotadas pelo município nas últimas semanas para conter o avanço da covid-19, além de buscar apoio em demandas para ajudar a cidade. Entre os pleitos levados pelo gestor estão a repactuação com programas do Ministério da Saúde, a requalificação da UPA (Unidade de Pronto Atendimento), a saúde indígena e a descentralização de recursos para duas obras no município. O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comprometeu-se a enviar doses extras de vacinas ao estado, além do que já estava previsto pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), e a atender as demandas assim que possível.


Após um aumento considerável dos casos de covid-19 em todo o Mato Grosso do Sul nas últimas semanas, várias cidades tiveram que decretar lockdown para conter a doença. Dourados, que é a segunda maior cidade de MS e polo que atende vários municípios da região centro-sul do estado, conseguiu diminuir em 60% a média móvel de casos em apenas 14 dias após adotar medidas sanitárias mais restritivas.


“Nós vivemos muitas dificuldades nas últimas seis semanas com o rápido avanço de casos. Após decidir adotar medidas mais duras, recebemos muitas críticas, mas conseguimos um resultado de sucesso zerando a fila de espera de leitos de UTI para covid-19. Na verdade, hoje temos três leitos disponíveis. O trabalho foi duro, mas necessário”, comemorou o prefeito Alan.


A senadora Soraya parabenizou o gestor pela atitude. “Prefeito, o senhor foi corajoso em enfrentar esse problema da maneira necessária para conter o vírus. Dourados é a minha cidade natal e tenho muito carinho pela população douradense. Sei que não é fácil fechar comércios, pois as pessoas precisam trabalhar para sobreviver. É por isso que sempre defendi que devemos deixar as ruas para quem precisa sair para trabalhar. Se todos nós colaborarmos, superamos essa situação mais rápido”, disse.


O ministro Marcelo Queiroga destacou o auxílio dado pelo Ministério da Saúde ao estado neste período do aumento de casos. “Ajudamos a transferir pacientes, enviamos oxigênio e medicamentos para intubação, além da cota adicional de vacinas enviadas para o Mato Grosso do Sul. O foco é resolvemos a questão da pandemia”, afirmou. Queiroga garantiu ainda que até setembro toda a população brasileira, acima de 18 anos, estará imunizada com pelo menos a 1ª dose da vacina.


A senadora Soraya elogiou o trabalho realizado pelo novo ministro da Saúde. “O seu nome veio para trazer um alento ao Brasil. O senhor pegou tudo andando e está colocando a situação nos trilhos, com sua postura técnica nos trouxe segurança e uma credibilidade muito grande”, afirmou.


Também participaram da reunião os secretários de Governo e de Obras de Dourados, Henrique Sartório e Luís Casarin, respectivamente, e as vereadoras de Dourados Daniela Hall e Liandra Brambilla.


Fronteira e saúde indígena

O ministro Marcelo Queiroga explicou que o Ministério da Saúde pretende dar uma atenção especial em relação à imunização aos estados que possuem faixas de fronteira seca para evitar a entrada de novas cepas da covid-19 no país. “Submetemos ao PNI que estados como o Mato Grosso do Sul, que tem fronteira seca e podem receber uma variante, para que aceleram a vacinação. É uma questão de relevância epidemiológica”, afirmou.


Mato Grosso do Sul possui, na divisa com o Paraguai e a Bolívia, sete cidades-gêmeas, que são municípios cortados pela linha de fronteira, seca ou fluvial, articulada ou não por obras de infraestrutura, e que apresentem grande potencial de integração econômica, social e cultural com a cidade do país vizinho. “Pacientes da fronteira muitas vezes vão parar em nossas unidades de saúde. Dourados fica apenas 100 km de Ponta Porã, que é cidade-gêmea com Pedro Ruan Caballero, no Paraguai”, explicou Alan Guedes.


A saúde da população indígena também esteve na pauta da reunião, pois Dourados tem a maior reserva indígena urbana do Brasil. O prefeito solicitou o abastecimento de água potável para as aldeias, além de vacinação dos índios. O ministro Queiroga garantiu que a imunização da população indígena aldeada em áreas não homologadas já está em torno de 80% com pelo menos uma dose da vacina.

Comentários


bottom of page